Seguidores

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Está em exibição em Portugal o filme "A Rainha do Deserto" de que gostei

Gertrude Bell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

   


Gertrude Bell na Babilônia, Iraque, 1909
Gertrude Margaret Lowthian Bell, OBE (14 de julho de 1868 – 12 de julho de 1926 (57 anos)) foi uma escritora britânica, viajante, política, administradora, arqueóloga e espiã que explorou, mapeou e se tornou altamente influente na política do Império Britânico devido a suas viagens a Grande Síria, Mesopotâmia, Ásia Menor e Arábia. Junto com T. E. Lawrence, Bell ajudou a dinastia Hachemita a se estabelecer onde atualmente é a Jordânia assim como no Iraque. Ela teve um papel maior no estabelecimento e ajuda na administração do estado do Iraque, utilizando-se sua perspectiva única, de suas viagens e relações com líderes tribais por todo o Oriente Médio. Durante sua vida ela foi altamente respeitada e considerada confiável pelos oficiais britânicos. Teve um imenso poder para uma mulher de sua época. Ela também tem sido descrita como "um dos poucos representantes do Governo de Sua Majestade que é lembrado pelos árabes com algo que se assemelha a afeição".[1]
https://youtu.be/dhoK4p8FQdk

8 comentários:

Pedro Coimbra disse...

Pode ser que por aqui passe.
Mas duvido muito que assim seja.
Boa semana

Arco-Íris de Frida disse...

Parece ser muito bom... se tiver oportunidade vou querer ver...

Espero que se encontre bem...

Beijos...

A Nossa Travessa disse...

Irenamiga

Desculpa não abordar este assunto, mas vou explicar-te porquê

Aposto que nenhum (ou quase) dos "poliqueiros" que hoje mandam na (des)União Europeia será capaz de a entender e muito menos tirar as conclusões do abalo chamado Brexit. O povo diz Aprender até morrer mas esta gentinha não aprende nada com a saída do Reino Unido (?) da (des)União Europeia.

Para mim (e para muita gente mais) o Brexit foi o maior tsunami que se verificou na política europeia desde o COMECON, para não falar na II Guerra. E face à vitória do NÃO agora anda um alvoroço em Berlim, Paris, Bruxelas et aliud que me faz recordar o nosso Na praia da Nazaré, pois então, vai um grande burburinho, as senhoras de roupão e o D. Fuas de Roupinho.

Cá por mim se houvesse em Portugal um referendo sobre o tema optaria pelo PORTEXIT! A Europa dos Senhores Schuman e Monnet (atraiçoados) agora não me merece qualquer garantia de que aprenda com o Brexit. Todos querem ficar no poleiro. Ninguém quer assumir os erros que cometeram. Ninguém é culpado de termos esta Europa velha, decrépita e a cair de podre.

A (des)União Europeia está com MEDO! Tem medo do efeito Dominó, tem medo de perder os privilégios e as mordomias, tem medo da Escócia, do País de Gales, da Catalunha, do País Basco e de outros que tais. Se o Brexit ganhou a culpada é a triste (des)União Europeia.

Eu fui um europeísta convicto que até andei por Portugal a explicar às pessoas o que era a nova moeda única e a advertir sobretudo os idosos como deveriam usa-la e que não fossem enganados pelos burlões. E a primeira falsificação de notas foi em… Portugal.

Mas hoje já o não sou mais. Esta Europa já não é a minha, muito menos minha!

Qjs Leãozão

Zulmira Romariz disse...

Gostaria de ver, achei muito interessante, bjs amiga

Smareis disse...

Esse filme parece muito Bom. Vou dá uma garimpada por aqui pra saber. No meu blog eu também falei sobre um filme.
Beijos queridona e ótima semana!

DE-PROPOSITO disse...

há quanto tempo não vou ao cinema!...
Vejo filmes na TV (alguns).

Que a felicidade ande por aí.
MANUEL

Rita Sperchi disse...

Bom saber minha querida. não assisti
mas se vc falou sobre ele deve ser bom
vou ver sim agradeço

Abraços com carinho!

└──●► *Rita!!

Maria Rodrigues disse...

Parece ser bastante interessante.
Obrigado pela partilha
Beijinhos
Maria