Seguidores

quarta-feira, 15 de julho de 2015

MEU PAI de Maria da Fonseca(minha amiga)

Faz cento e dezasseis anos

Que o meu Pai foi nascido,

E, não havendo enganos,

Em data que nunca olvido.




Foi num catorze de Julho,

Que alegrou meus Avós,

Vindo ao mundo com o orgulho

De ser livre como nós.




Venho prestar-lhe homenagem

No dia do aniversário,

Ter sido homem de bem,

Pai extremoso e solidário.




Os conselhos que me dava,

Jamais os posso esquecer.

Era assim o que pensava

Pra me ajudar a viver.




Eu recordo comovida

Em qualquer lugar ou hora

Ensinamentos de vida

Ainda úteis agora.




E às minhas filhas e netos
Eu peço com muito amor,
Memorem nos seus afetos
O meu Pai, este Senhor.

Maria da Fonseca
seu blogue:
 
 


6 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Maravilhoso poema!

ps: este fundo ficava bem no seu blogue.

Beijo e um dia feliz

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Antonio Porpetta disse...

Me encanta su blog. Es de una elegancia y una belleza admirables. Hay que visitarlo de vez en cuando para encontrarse con algo inusual y que deja huella en el espíritu.
Un gran abrazo desde Madrid, querida amiga.

Brisa Petala disse...

Oi querida
Hoje estou passando para informar a minha ausência. Fiz uma cirurgia de mama e não estou podendo usar o PC. Preciso ficar de repouso. Tem 15 dias. Peço desculpas. Prometo voltar. Um beijinho no teu coração.

Elisabete disse...

Escolheu um belo poema.
Bjs

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, linda dedicatória poética, manter a memoria bem viva com boas recordações, é maravilhoso.
AG

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Que lindo!
Que homenagem linda ela fez.
Um abraço querida Irene e bom domingo.