Seguidores

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Fonte: Expresso online

Cénico e desconcertante: o rosto de Amália foi recriado em calçada portuguesa por Vhils, que faz duas homenagens - à fadista e ao génio dos calceteiros - numa obra que demorou três meses. Para experimentar nas ruas de Alfama, em Lisboa

A mais recente obra do artista urbano Vhils (aka Alexandre Farto) é de fazer chorar as pedras da calçada. A expressão é do próprio, que, em colaboração com os calceteiros da cidade, criou uma expressiva efígie de Amália em calçada portuguesa que arranca do chão e sobe por uma parede, num largo do bairro de Alfama [na rua de São Tomé, frente ao número 31]. Um local onde o fado é, desde tempos imemoriais, cantiga urbana, vadia, de rua, de tascas, do povo, de Lisboa.
O resultado é cénico, belo, magnânime, emocionante, desconcertante e feito para envelhecer na rua como são todas as obras de Vhils. "É uma metáfora: quando chover, Amália derramará lágrimas pelas pedras da calçada, assim como é o fado tradicional e as suas letras. E é uma homenagem aos calceteiros de Lisboa, que foram os primeiros artistas urbanos da cidade e com quem eu há muito queria colaborar."
O desafio partiu do realizador Ruben Alves [autor do filme Gaiola Dourada], que, depois de ser convidado pela editora Universal France para dirigir um disco de homenagem a Amália Rodrigues, juntou algumas das atuais maiores vozes do fado (Ana Moura, Camané, Carminho, Gisela João e Ricardo Ribeiro) para cantar reportório amaliano. Para a capa do disco "Amália, As Vozes do Fado", com lançamento marcado para 17 de julho, lembrou-se de pedir a Vhils que assinasse a imagem do disco. A partir daí foi uma troca de ideias e começou a construir-se a obra, que demorou três meses a concretizar-se do papel para a rua.
"A ideia é louca, mas resultou muito bem, tem ali muito significado para a cidade. Para a imagem da capa do disco quis materializar o património imaterial que é o fado e devolvê-lo à rua numa obra pública. O Vhils teve a brilhante ideia de o fazer em calçada portuguesa, num lugar muito bonito, com vista para o Tejo, em plena Alfama. Cheguei mesmo a propôr à Câmara que aquele largo que não tem nome se passasse a chamar 'largo Amália Rodrigues'. Sei que já existe um jardim com o seu nome, mas porque não também um largo?", diz o realizador. Vhils, que se encontra atualmente em Kiev, na Ucrânia, a desenvolver um novo projecto, descreve a peça "A Calçada" como "uma onda do mar que sobe uma parede, como se a calçada portuguesa estivesse por trás de todas as parede e fizesse parte da sua constituição".
Esta obra de Vhils conta não só com a sua assinatura como com o nome dos seis calceiteiros que participaram na obra. Para a vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, esta Amália de Vhils que passa agora a morar em Alfama é uma obra muito especial para a cidade. "A ideia de termos a calçada portuguesa trabalhada pelo nosso mais importante artista de street art, numa homenagem a Amália e ao fado, expressões de Lisboa, faz desta obra uma combinação entre inovação e tradição. E pelo facto de estar num espaço público, na rua, num bairro emblemático do fado, vai permitir que todas as pessoas, portugueses e estrangeiros, se apropriem e se revejam nesta fantástica obra de arte."

8 comentários:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Irenamiga

Bem hajas por esta transcrição duma verdadeira obra-prima, em que o artista e a calçada à portuguesa se fundem. A imagem da nossa Amália, a única é uma notável e justa homenagem à diva do Fado.

Qjs alfacinhas

PS Não tens comentado lá na TRAVESSA... Gosto dete ver a comentar os textos. ai; como sabes não pagas IMI nem IVA a 23,5%...

papoila disse...

Muito interessante, gosto imenso desta arte de rua vou tentar lá ir quando estiver de férias.
Obrigada, Irene.
bjs

manuela barroso disse...

Obrigada MESMO Irene, pois ainda não tinha visto a calçada de que ouvi só falar. Maravilhosa!
Grande artista, grande inspiração.
Obrigada, Calceteiros, pela vossa arte

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Tão belo a arte
quando inspirada
nas vidas
que inspiraram,
e ainda continuam
a inspirar vidas...

Um imenso abraço.

Arco-Íris de Frida disse...

Ficou tao bonito... e com certeza uma homenagem merecida...

Beijos...

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Linda homenagem, amei!
Agradecida por sua doce visita querida Irene.
Estamos bem graças a Deus e esperamos que vocês também.
Grande abraço nosso e bom final de semana.

Minha vida de campo disse...

Belíssimo. Uma bela homenagem.
Tenha um ótimo dia.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, admiro a arte do calceteiro, sem querer criticar , enquanto poder evitar de passar ao pé da figura e de tudo que se relaciona com Amália, vou evitar, já o mesmo não faria se fosse a figura do grande poeta Ary dos Santos.
Bom fim de semana.
AG