Seguidores

sexta-feira, 26 de junho de 2015

De fugida...

Dia louco!!! mortes em Franca(uma pessoa decapitada)

Na Tunísia 27 mortos, algumas das pessoas encontravam-se na praia.

Por cá a notícia de que Maria Barroso, está em estado de coma profundo
após uma queda em casa.

E como se não bastasse acaba de ler a notícia que de seguida insiro.

Então o Governo está a enganar-nos e a Oposição também deve saber.
Partilho convosco.
A situação grega pode estar em via de ser solucionada, mas a preocupação em torno da Zona Euro não deverá acabar tão cedo. Um dos analistas financeiros de maior destaque nos Estados Unidos defende que Portugal deve ser alvo de maiores cuidados, uma vez que o contexto económico e financeiro faz prever “uma segunda crise portuguesa”.
Mathew Lynn, que escreveu o livro ‘Bust: Greece, The Euro and The Sovereign Debt Crisis, defendeu na sua coluna semanal no site Market Watch que a economia portuguesa tem “níveis de dívida insustentáveis”, que “não permitem uma recuperação estável da economia.
O jornalista económico identifica vários sinais de risco, e fala de um país que “à superfície parece estar bem melhor do que há três anos atrás”, mas que “poderá afinal não estar salvo”. Mathew Lynn refere os números do endividamento que mostram uma realidade “preocupante”: quando se junta a dívida do Estado à das famílias e empresas, Portugal é o país com saldo mais negativo da Zona Euro, à frente até da Grécia.
Para aumentar as preocupações, a aproximação das eleições legislativas está a levantar muitas dúvidas. A possível vitória do PS é vista com um “travão à austeridade”, que poderá levar à bancarrota “até ao Natal”.
“Portugal é uma bomba-relógio prestes a explodir”, afirma Mathew Lynn, antes de concluir: “A maior parte das pessoas acham que o centro da crise da Zona Euro está em Atenas, mas a verdade é que poderá estar também em Lisboa”.

2 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Foi, é, um horror!! :-(

Beijos, bom fim de semana.

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Elisabete disse...

Olá Irene. Quero manter a esperança que não seja bem assim...
Bjs