Seguidores

segunda-feira, 2 de março de 2015

Tão ingénuo!!!

Passos Coelho: "Não tinha consciência da obrigação" de pagar os descontos à Segurança Social


02-03-2015 12:18 por João Carlos Malta
O primeiro-ministro disse esta segunda-feira que não era sua intenção não pagar as contribuições à Segurança Social, e pensava que era uma situação "opcional". [em actualização]

 143
Comentar17

O primeiro-ministro Pedro Passos Coelho disse esta segunda-feira que nunca teve "intenção de não cumprir" e que pensava que as contribuições entre os anos de 1999 e 2004 eram "opção" e que "não contariam para a carreira contributiva". Passos afirma ainda que espera que esta situação não ponha em causa o Governo.

"Não tinha consiciência da obrigação para pagar essa dívida desse período", justifica Pedro Passos Coelho, à margem da visita ao Salão Internacional da Alimentação e Bebidas. O primeiro-ministro assumiu que podia ter conhecimento da obrigação de pagar a dívida por outras vias, mas insiste que nunca foi informado pela Segurança Social da falha de pagamento. O governante garante que se soubesse que não era opcional o pagamento à Segurança Social teria "cumprido". "Estava convencido que nessa época era opção", assegura.

Passos Coelho diz que não retirou "nenhuma benefício desses rendimentos inerentes a essa situação" e que se tivesse tido conhecimento em tempo útil que teria procedido à regularização dos pagamentos. "Fui nesta situação tratado como qualquer outro cidadão português".

Já em relação a ter optado por pagar a dívida agora depois de já estar prescrita, mesmo tendo conhecimento de que estava em falta desde 2012, Passos justificou que não o fez antes para que ninguém pensasse que o fazia usufruindo do estatuto de primeiro-ministro. Mas que as coisas mudaram depois de ter sido abordado pelo jornalista do "Público" expôs o caso.

Passos disse por mais do que uma vez na resposta aos jornalistas que  nunca foi "informado da situação pela Segurança Social" e criticou que houvesse terceiros, neste caso os jornalistas, que tivessem conhecimento em primeiro lugar dessa mesma situação.

Em relação às consequências políticas do caso, o líder do Governo referiu ainda que não se furtará a prestar mais esclarecimentos se forem pedidos pelos partidos da oposição mas que não vê razões para que o caso tenho consequências políticas.

Fonte: Renascença online
PARTILHAR

4 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Se fosse eu cancelavam-me tudo, enfim tudo igual


Boa semana
Beijo
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Zulmira Romariz disse...

Um primeiro ministro não sabia que é
obrigação dos cidadãos pagar á segurança social, nós acreditamos...
beijo amiga

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Irenamiga

Aqui em Goa perguntaram-me o que pensava do caso pois seguiam-no pela RTPI. Respondi a vários interessados que "Desde rapazote (o da Outra era com um R maiúsculo...") já não penso mais nada. Mais depressa se apanha um mentiroso do que um coxo..."

Qjs picantes

Brisa Petala disse...

OLÁ QUERIDA
Passando para te desejar um feliz dia da mulher.08 de março é lembrado às mulheres que sofreram, lutaram em busca de seus ideais e que venceram . parabéns a vc as amiga que cuida de sua familia com AMOR, DIGNIDADE. Um abraço