Seguidores

domingo, 28 de dezembro de 2014

ho ho ho - fabio rocha


 toda vez

no fim do ano
me vem essa pressa
de chegar não sei onde

me transformo em p-r-e-s-a
querendo mastigar não sei o quê

6 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Gostei do poema, amiga Irene. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana e uma ótima passagem de ano.

Existe Sempre Um Lugar disse...

ABRAÇO DE ANO NOVO COM VOTOS DE MUITA FELICIDADE.
FELIZ ANO NOVO
AG

Zulmira Romariz disse...

Irene, correria é o que não falta,
talvez para alcançar o vento,
tudo de bom amiga, beijo

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga Irene

Desejo para ti
braços bem abertos
para receber com carinho
o ano que se aproxima.
Ele traz um presente:
- Uma vontade de que olhes
para alguém ou para alguma coisa,
com olhos de primeira vez.
Recebendo este presente,
as sementes de alegria que te habitam,
estarão recebendo seu melhor alimento,
e assim se transformarão em realidade,
perfumando sua vida e sua alma
com sua maravilhosa, única e infinita
essência de felicidade.

Um ano novo de olhares novos para ti.

Aluísio Cavalcante Jr.

Cidália Ferreira disse...

Lindo!
Queremos tudo muito a correr.
Beijos
Bom ano de 2015

Beijos

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Irenamiga

Fabulástico!!!! É mesmo fabulástico o Flábio Rocha!

E tu também o és! Pela escolha dele e pela ilustração que está o máximo!

Quando o 2015 já está nos bastidores à espera de entrar em cena, a pressa justifica-se; tão depressa ele chegue, mais começa a caminhada para nos livrarmos destes pulhas que nos vão (des)governando!

Diz o povo que não há fome que dê em fartura... Para mim não peço tanto. Quero apenas que comecemos a viver sem subserviência nem sabujices
perante estes pulhas que estão no poder e que dia após dia nos vão roubando miseravelmente sob a capa de salvadores da Pátria que estava . segundo eles - à beira da bancarrota...

Bancarrotos são eles, ou, pelo menos, um, ao que se sabe; que anda de submarino impunemente ou de carros de combate. Viva la muerte! dizia Millán Astray, franquista, comandante da Falange durante a Guerra Civil da Espanha.

E eu digo "Viva a Vida!" para que nos livremos destes energumenos que estão a dar cabo de Portugal e que se autoproclamam novos Sebastiões!

Enfim, desejo ardemente que o 2015 seja melhor do que o desgraçado 2014 com os pés prá cova. Pior é impossivel!

Qjs