Seguidores

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

O Governo quer ALIENAR mesmo tudo antes de ir embora...

O Executivo pôs hoje à venda 66% da TAP SGPS, o que inclui negócio deficitário no Brasil. Desse capital, 5% será reservado para trabalhadores e 61% será alienado a um ou mais investidores de referência mediante venda directa. Esses investidores poderão mais tarde reforçar a sua posição na transportadora aérea.
"O Governo fica ainda com uma opção de venda, em condições a definir no Caderno de Encargos, que lhe permite alienar ...até 34% do capital remanescente da TAP SGPS, ao adquirente na venda directa de referência, caso faça uma apreciação positiva do cumprimento das obrigações pelo mesmo", refere o comunicado do Conselho de Ministros.
Esta opção de venda poderá ser exercida durante os dois anos seguintes à privatização, explicou Sérgio Monteiro, secretário de Estado dos Transportes, no "briefing" do Conselho de Ministros.
"Nunca escondemos a nossa intenção de, quando houvesse oportunidade, relançar o processo de privatização" e "sentimo-nos mais confortados com as manifestações de interesse que têm surgido", acrescentou o governante, lembrando que a primeira tentativa de vender a TAP, em 2012, falhou.
Na corrida, agora, está o empresário português Miguel Pais do Amaral, em consórcio com o norte-americano Frank Lorenzo, a espanhola Globália e o repetente Germán Efromovich, que há dois anos viu recusada a sua proposta. A imprensa tem referido ainda o interesse de David Neelman, presidente da brasileira Azul, que até agora recusou comentar o assunto. Já no final de Outubro, Pires de Lima avançou em visita ao México que existem empresários mexicanos interessados na compra da TAP.
Fonte:SAPO/ECONÓMICO

2 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Passo para lhe deixar um abracinho e um beijinho carinhoso.

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Graça Sampaio disse...

É vender ao desbarato!!! E, apesar das muitas vigarices e tramóias em que estão metidos muitos dos seus membro, não há forma de os fazer cair! Estão bem seguros por aquele clone escavacado que mora em Belém (à nossa custa...)