Seguidores

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Cada dia que passa a situação se torna mais complicada...

Acções afundaram mais de 40% pela segunda sessão consecutiva apesar de as vendas a descoberto estarem proibidas. CMVM suspendeu negociação a cerca de 40 minutos do fim da sessão.
O Banco Espírito Santo (BES) prepara um aumento de capital numa altura em que nunca valeu tão pouco em bolsa.

A pressão vendedora dominou toda a sessão mas intensificou-se na recta final de negociação, pouco depois de conhecido que a Goldman Sachs reduziu a sua exposição ao BES e que a Associação Internacional de Swaps e Derivados recebeu um pedido para avaliar se a gestão controlada do Espírito Santo Financial Group é um evento de crédito.

Às 15h34 o banco cotou no valor mais baixo de sempre: 10,1 cêntimos por acção.

Às 15h49 a CMVM decretou a suspensão das acções invocando a prestação de informação ao relevante. A essa hora os títulos perdiam 40,3% para 12 cêntimos. Isto depois de no dia anterior terem afundado 42%.

Nas últimas seis sessões o banco acumulou perdas de 75% em bolsa. À cotação actual vale 675 milhões de euros.

Sem qualquer novidade sobre o futuro do banco, o mercado continua a recear descontar um aumento de capital que pode envolver o Estado.

"Começa a estar em cima da mesa o cenário de um aumento de capital com o Estado. Talvez alguma solução mista", afirmou Gualter Pacheco, da GoBulling, à Reuters. "Penso que o banco, o próprio Governo e o Banco de Portugal poderão estar a estudar como é que, dentro do quadro jurídico, se poderá intervir no BES, se necessário", acrescentou.

O maior accionista do BES, o ESFG, está em regime de gestão controlada e tem os seus direitos de voto no banco inibidos por determinação do Banco de Portugal. O segundo maior accionista, os franceses do Credit Agricole, desinvestiram no último reforço de capital. E o terceiro maior, o brasileiro Bradesco, sinalizou ontem não estar interessado em participar em novo aumento de capital.

"Com estas quedas constantes, começa a haver preocupação que o banco não encontre o interesse privado necessário para ter sucesso no aumento de capital a que se propôs", disse Albino Oliveira, da Fincor.

Os analistas estimam que o BES precisa de levantar entre 1,5 e três mil milhões de euros.
fonte: sapo

5 comentários:

Elisabete disse...

Uma vergonha!
Bjs

Cidália Ferreira disse...

Estamos tramados!


Bom fim se semana!

Beijos

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

papoila disse...

Estou impressionada, o que tu sabes disto!!!!
Xx

Sissym Mascarenhas disse...


Estimada amiga, vim lhe visitar para comunicar que em breve vou fechar os blogs e não receberei mais comentarios. Então, me visitará e vai me ler quem realmente gosta do que eu faço e sem obrigação de escrever.

Desejo um otimo domingo.

Voltarei em breve. Tambem estou com problemas com meu computador que está lerdo.

bjs

Nilson Barcelli disse...

Cada dia que passa, a situação é ainda mais negra.
Num país civilizado já havia pelo menos meia dúzia de pessoas na cadeia.
Irene, tem um bom fim de semana.
Beijo.